Evento

Soho Effect - Intercâmbio de experiências e políticas públicas como antídotos à gentrificação

Soho Effect - Intercâmbio de experiências e políticas públicas como antídotos à gentrificação

Gentrificação é o fenômeno que afeta uma região ou bairro pela alteração das dinâmicas da composição do local, tal como novos pontos comerciais ou construção de novos edifícios, valorizando a região e afetando a população de baixa renda local. Tal valorização é seguida de um aumento de custos de bens e serviços, dificultando a permanência de antigos moradores de renda insuficiente para sua manutenção no local cuja realidade foi alterada. "Soho Effect" é o termo usado para se referir à gentrificação liderada pelos artistas. 

O fenômeno começa quando casas ocupadas por artistas transformam uma determinada área em um bairro residencial seguro, o que atrai a mudança de pessoas afluentes para o local. Com o aumento da demanda, os preços começam a subir, tornando a área inacessível para os artistas que viviam no bairro em primeiro lugar. O exemplo mais conhecido é o bairro do SOHO em Nova Iorque. 

Há décadas, os artistas lutaram para encontrar espaço acessível para trabalhar e morar dentro das principais cidades do mundo. Seu status econômico relativamente baixo geralmente significa que eles eram arrendatários, e não proprietários, e, portanto, vulneráveis ao aumento dos preços imobiliários. Eles também são "placemakers" por instinto: quando os artistas se agrupam em uma área, eles injetam energia, constroem redes sociais, redes de negócios e contribuem para a vibração e distinção do bairro aonde estão. Sua presença se torna um imã para outras pessoas. Mas à medida que os valores das propriedades sobem e os desenvolvedores entram, eles são frequentemente deslocados dos lugares que ajudaram a estimular. Esta história, muitas vezes chamada de "efeito SoHo", pinta artistas como vítimas do desenvolvimento urbano. Acontecimento continuo nas cidades ao redor do mundo e tema de debate nesta mesa-redonda.

Esta mesa-redonda vai debater o papel da Cultura e da Indústria Criativa no desenvolvimento sustentável das cidades do mundo, e como o poder de diálogo e  o intercâmbio de ideias e experiências entre cidades têm um papel crucial nas políticas públicas.


Sobre os palestrantes:

Sérgio Sá Leitão é ministro de Estado da Cultura. É jornalista formado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), com pós-graduado em E-business pelo IBMEC (atual Insper) e em Políticas Públicas pela Universidade de São Paulo (USP).

Omar Marzagão, sócio da Sete Artes Produções, é um produtor cultural formado em relações internacionais pela Webster University em Londres, Inglaterra. Atua como colaborador do BOP Consulting no World Cities Culture Forum e é um dos diretores do Latin Cities Culture Forum*.

Eduardo Saron é diretor do Itaú Cultural. Mestre em Administração, com foco em Cidades Criativas, e pós-graduado pela USP em Turismo Cultural, é membro fundador do Fórum Brasileiro pelos Direitos Culturais. Em 2017, recebeu a Ordem do Mérito Cultural, maior condecoração pública da área da cultura.


* O World Cities Culture Forum (WCCF) é a maior rede internacional colaborativa de cidades que compartilham da perspectiva acerca da importância da cultura para criar cidades prósperas com futuro urbano sustentável. O objetivo é convocar líderes das cidades e do setor cultural para promover o intercâmbio de conhecimento sobre temas de relevância comum. Entre esses temas estão patrimônio, literatura, artes cênicas, audiovisual, jogos, moda e diversidade cultural.